Passos Coelho divorcia-se e já tem nova namorada

Passos Coelho e Assunção Cristas casam, esta terça-feira, pelo civil. Consta que os padrinhos vão ser Medina Carreira e Teodora Cardoso.  Diz que a o copo de água será abrilhantado pela grande cantora Kátia Aveiro. 

Festa de arromba, portanto. As autárquicas estão no papo!

Diz que o PSD e CDS assinam esta terça-feira, pelas 18h, o Acordo Quadro Para as Coligações Autárquicas. Em comunicado enviado às redacções pelos sociais-democratas, os dois partidos informam que vão candidatar-se em coligação sempre que seja essa a vontade das estruturas locais. A assinatura do acordo está marcada para esta terça-feira às 18h num hotel em Lisboa.

Foto: Caras
Não se sabe ainda em que autarquias é que as estruturas alinham na referida suruba -- mas não faz mal. Candidatos fortes é o que não lhes falta. Quer do lado do PSD, quer do lado do CDS, resmas, paletes. Tudo de primeira. Laurinda Alves, do lado laranja, ou a aquela menina com cada de má, a tal de Meireles, do CDS, tudo gente catalisadora, com um magnetismo extraordinário. O Montenegro, a Albuquerque e o Bacorinho já cantam pelos cantos: Já ganhou, já ganhou...! Ou seja, para eles, as autárquicas já estão no papo. 

Em Lisboa, a Miss Cristas da Coxa Grossa, está à vontade. A menos que o láparo, cuja inteligência brada aos céus, se encha de brios e vá pedir meças. Acho que, bem aconselhado como anda, ainda se vai sentir incentivado a tal. Todos gostávamos de ver qual a sua percentagem quando comparado com a da so called Miss Kiwi.

Foto: Expresso
Vejo a fotografia e a atitude corporal fala por si: não se gramam nem à lei da bala mas, sonsos e broncos como são, acham que conseguem enganar o zé pagode. Cara de quem comeu e não gostou, incomodados com o hálito um do oudro, a evitarem o contacto visual não vá sentirem um vómito a subir das entranhas -- eis os dois líderes dos partidos da oposição que vão, pois, anunciar à plebe que vão concatenar-se sempre que a turbamulta aparelhística o deseje.

Passos Coelho já está com ar de cadáver adiado, já faz lembrar aquele do Fim-de-semana com o morto. O pessoal do PSD já o arrasta como um corpo morto que para ali anda, fedendo.

Isto ele. Quanto à Cristas, a senhorita ainda não percebeu que nem sempre a coxa grossa alavanca na vertical. Por aí anda a fazer o circuito da feira, da febra; e, no intervalo, vai à Assembleia da República mostrar os trabalhos manuais que faz à noite com os filhos, uns quadrinhos básicos e destituídos de sentido que deixam toda a gente constrangida.

Mas, ok, casamentos de conveniência, ainda que coisa fora de moda, talvez tenham mesmo subsistido até aos nossos dias. Coisa de antanho mas pronto. O que não falta são eleitores também já muificados que ainda não perceberam que já lá vai o tempo em que, à frente do PSD e do CDS, ainda havia gente minimamente decente (teremos que recuar uns anos valentes, ir lá para bem antes do Cherne Durão ou do vice-Portas -- mas enfim).

No entanto, gostos não se discutem e, nesse pressuposto terei que achar que o casório pode ser uma festa bonita de se ver. Para tal, recomendo que o simpático casal de padrinhos, Medina Carreira e Teodora Cardoso, abrilhante a festa com as suas cassândricas previsões. Tarot, búzios, bola de cristal, vela de incenso, pata de galinha, rabo de gato, défices, gráficos, tudo em cima da mesa - e eles os dois de turbante a atender os convidados. 

E, como a ficarem-se por aí, a nível de diversão, a coisa pode azedar, sugere-se que, para além do banquete onde certamente não faltarão os cachos de camarões e a lampreia de ovos moles, se tente animar o ambiente com um forró a preceito. 

Concretizo: para que os convivas possam arejar a pernoca e demais interiores, recomenda-se que sigam o dress code da brilhante artista Kátia Aveiro, a tal que provocou a ira do mano Ronaldoao ir fecundar-lhe a cama com o talCláudio Coelho (o cujo já veio dizer que - e cito - A Kátia vai andando com um e estando com outro) e que, mal ela desate a fazer que canta, façam todos coro com a garbosa garina e lhe sigam a sofisticada coreografia.

Já mostro o seu último vídeo gravado em Cuba mas antes, e porque este é um post político, recomendo ainda que uma outra figura dos tempos áureos do passos-relvismo não deixe de ser convidada: o Miguel Gonçalves, mais conhecido pelo nick Miguel Bate-Punho. As hostes pafianas andam desconsoladas, há que tentar levantar-lhes os ânimos.

Claro que, embora a festa se anuncie como civil, não faria mal que, ainda que apenas em espírito, pairasse por sobre os convidados o Santo Padroeiro Aníbal. Traz sempre sorte e bom astral.

Para finalizar, um pormenor. Sendo tudo jet set, é prudente que se contratem seguranças. Diz que há uma firma muito boa que tem sede num sótão e cuja testa de ferro dá pelo nome de código F. Lima. Diz que detecta espiões atrás de arbustos a olho nu. è melhor porque nunca fiando.

E mais nada. Só que a festa tem tudo para ser bonita, pá, e não é preciso ser da família do professor Karamba para adivinhar que os resultados das autárquicas prometem: Uma maravilha.

Claro que a Cristas vai meter o Láparo no bolso. Uma pena.

E a seguir regressa o Portas e mete a Cristas no bolso. Outra pena.

E tudo correrá lindamente se, a seguir, não aparecer a Ana Gomes e não puser o Portas no bolso, ou seja, num submarino (ao fundo). Uma pena irrevogável.

E, para terminar em beleza, direi que, no fim, aparecerá o Rangel que anunciará que vai acabar com o regabofe no PSD e, para que o Santana Lopes não 'mande bocas', até vai ter como primeira-dama a Maria Leal -- uma das tais que, qual J. Pinto Fernandes, ainda não tinha entrado na história.